COZINHA PARANGOLÉ LISBOA

Cozinha Parangolé Lisboa

 

Cozinha Parangolé Lisboa é uma performance de rua proposta por Marcos Moraes para o Festival Pedras 2017, promovido pelo c.e.m. – centro em movimento de Lisboa, Portugal. Apropriando-se do convite de Helio Oiticica, criador dos Parangolés, para fazer dançar a qualquer um, o convite a essa trupe foi feito em duas direções: de um lado, aos participantes do festival e quem mais quisesse aparecer; de outro às realizadoras Inês Oliveira e Joana Figueiredo, para que tomassem parte na performance trazendo seu olhar documental. Não houve ensaio ou um pré roteiro para as imagens, salvo o percurso da Igreja da Graça descendo até a Igreja de São Cristóvão.  Diariamente Moraes descia da Graça para a Baixa e nesse movimento via a cidade a dançar. As realizadoras foram jogadas na experiência e o vídeo de registro é parcialmente uma performance também.

 

Cozinha Parangolé Lisboa is a street performance invited by Marcos Moraes that was part of 2017 Pedras Festival (Lisbon, Portugal), a c.e.m.– centre in movement – initiative. Appropriating the creator of Parangolés Helio Oiticica’s idea – designed to make anyone dance – this invitation was made in two parts: in one hand, to the participants of the festival and anyone else who wanted to join them; in the other hand, to moviemakers Ines Oliveira and Joana Figueiredo, who were to take part in the performance and bring their documental gaze to it. There was no rehearsal or a given script, except the route between Graça and São Cristóvão Churches. Moraes walked down from Graça to Baixa daily and this movement gave him the vision of a dancing city. The moviemakers were thrown into that experiment and the video record is in a way a performance too.

 

.